Follow by Email

domingo, 25 de novembro de 2012

Quando menos esperámos acontece


Mais uma vez me encontro a escrever…uma noite em que me apetecia voar como uma ave migratória para bem longe daqui.
Há momentos que sinto uma forte vontade de ir ao encontro do desconhecido, abraçando a solidão, que é minha amiga e fiel companheira.
Com ela ao contrário que possa parecer nunca me senti só, afinal éramos dois, eu e a solidão… sinto cada vez mais que a minha vida aqui não tem sentido.
Quero ir de encontro aos meus sonhos, quero ser feliz como qualquer ser humano deseja… esta não foi a vida que escolhi viver, quero uma vida muito mais simples onde as pessoas que me rodeiam não me desiludam.
É preciso viver mais e melhor, cada lágrima que vai caindo dos meus olhos revelam o meu sofrimento por continuar preso a uma vida que nunca desejei e chegou a altura de viver realmente o que quero…
 Quando decidir não mais bater as minhas asas sentirei o doce sabor da vitória e que um dia tive a coragem de enfrentar os céus e ventos por onde me cruzei e venci.
 Mas para que tudo isto fosse possível tive e tenho tido como apoio a tua ajuda, que apareces-te na minha vida do nada, de uma forma estranha, sem eu contar, e me viste dar força e apoio quando eu mais precisei.
O tempo traz-nos sempre as pessoas "certas" e afasta de nós as erradas...talvez tenha sido o que nos aconteceu…
Tem sido uma experiência boa  que se tem vindo a revelar a a cada dia que vai passando…
 
 
 
 
 
 
 
 

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

E preciso andar com os olhos bem abertos


Avisa-me quando alguém ignorar-te, assim como fizeste comigo , ou quando alguém te trair, não apenas fisicamente, mas o pior, quando alguém disser que te ama e por dentro pensa o porquê de o estar a dizer, pois na verdade ele ama outra pessoa e está contigo por pena.

 Avisa-me também quando te magoares muito com alguém, e sentires que foste usada, poderá demorar muito tempo para isso acontecer, e ai tu irás perceber o porquê de todas aquelas vezes em que eu te culpava.

 Procura-me no dia em que te sentires sozinha, no dia em que os teus amigos estarão a namorar, casados, enfim, fazendo algo que tu não estarás presente, nem serás avisada que esse dia existe, ou, o dia que o teu amor não te enviará nem uma mísera mensagem de “boa noite”, e tu ficarás a olhar incessantemente para o telemóvel e se ele não tocar nem por um instante do dia ou da noite, não penses que ele está a trair-te, apenas “não quis”.

  Só nunca consegui imaginar o dia em que estaria sozinho em casa a olhar incessantemente o telemóvel e ele não tocar, senti a dor de ter gostado e o pior do que a certeza de um não é sem sombra de dúvida a incerteza de um sim.

 Desculpa aquelas vezes que não respondi às tuas mensagens, era porque eu estava decepcionado e esse tipo de decepção não passa nem com mil pedidos de desculpas, e sabes porquê? Porque isso é que é sentir-se ignorado e esquecido.

 Sabes o que aprendi com isso? Aprendi que grandes amores não existem, existem sim apenas grandes ilusões, a ilusão de que alguém pensa em ti assim como tu pensas nele. Sabes o que é sentir a falta de alguém que mesmo ao teu lado está mais incansável do que as estrelas e mais distante do que o céu? Foi assim que eu te senti, distante e incansável.

 Não posso dizer que ao escrever isto, não caiu nem uma lágrima, por varias vezes senti medo em perder-te, mas como podia perder alguém que eu nunca tive…tive de coração talvez...

 Um dia vais sentir o que estou a sentir, não estou a rogar-te nenhuma praga, mas isto acontece com todo o ser humano capaz de amar e de ser amado, tu saberás o que é esperar por alguém que demora a aparecer, e que vem dizendo que tinha coisas mais importantes a fazer do que estar contigo. Não desejo isso nem para o meu pior inimigo, mas a vida faz isso, as pessoas fazem isso, dói, o coração sangra, mas pessoas normais fazem isso a todo o tempo sem perceber.
 
 



 

domingo, 4 de novembro de 2012

"A felicidade cada vez mais se aproxima"

Nós aprendemos com o passado, mas não somos fruto disso. Sofremos no passado, amamos no passado, choramos e sorrimos no passado, mas isso não serve para o presente. O presente tem os seus desafios, o seu mal e o seu bem. Não podemos culpar o passado nem agradecer-lhe pelo que está a acontecer agora. Cada nova experiência de amor não tem absolutamente nada que ver com as experiências passadas, é sempre nova.
 
Não sou aquilo que as pessoas desejavam que fosse, sou aquilo que decidi ser, ou o que a vida me obrigou a ser. Culpar os outros é sempre fácil, uma pessoa pode passar a vida a culpar o mundo, mas os seus sucessos ou as suas derrotas são da sua inteira responsabilidade. Posso tentar parar o tempo, mas estarei a desperdiçar a minha energia em vão.
 Estas coisas estão naquilo a que se chama "passado" e aguardam uma decisão naquilo a que chama "futuro". Elas entorpecem, poluem e não deixam que perceba-mos o presente. Trabalhar apenas com a experiência é repetir soluções velhas para problemas novos. Conheço muitas pessoas que só conseguem ter uma identidade própria quando falam dos seus problemas, é assim que elas existem, porque têm problemas que estão ligados ao que julgam ser " a sua história".
É preciso um grande esforço para se libertar da memória, mas, quando, se consegue fazê-lo, começa-se a descobrir que  somos mais capazes do que pensamos.
Habitamos neste corpo gigantesco que é o Universo, onde estão todas as soluções e todos os problemas, visita a tua alma em vez de visitares o teu passado….
By Narciso Teixeira